Cultivo in vitro de espécies arbóreas da mata atlântica

invitro

Título: Prospecção do potencial do cultivo in vitro para propagação de espécies arbóreas da mata atlântica

Parte do território brasileiro (abrangendo áreas de 17 estados) já foi coberto pela Mata Atlântica. Atualmente, este importante bioma encontra-se ocupando apenas 7,84% da sua extensão original. Apesar dessa drástica redução, a Mata Atlântica ainda abriga mais de 20 mil espécies de plantas, das quais oito mil não existem em nenhum outro bioma. Desta forma, ações que visam viabilizar a manutenção e/ou recuperação de parte das espécies da Mata Atlântica, na forma de processos biotecnológicos, têm sido desenvolvidos no Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene). Até o presente momento o Lapab (Laboratório de Pesquisas Aplicadas a Biofábrica) desenvolveu protocolos para produção in vitro de mudas de 15 espécies diferentes de arbóreas, permitindo que seja dado suporte a iniciativas de reflorestamento, florestamento e enriquecimento de matas. O projeto teve início em 2011, e continua buscando o desenvolvimento e o aprimoramento de protocolos para as espécies alvo (Ex. Sapucaias, o Trapiá o Umbu, o Abricó de macaco entre outras). Um diferencial da estratégia adotada pelo Cetene, é a introdução in vitro de sementes, associada ao baixo número de repicagens (no máximo 3), potencializa a manutenção da variabilidade genética, tão importante em projetos de reflorestamento e enriquecimento de matas. Os resultados obtidos até o momento permitiram validar a viabilidade e o desenvolvimento de algumas das arbóreas em condição in vitro. Sendo assim, o Cetene está consolidando uma linha de ação voltada ao desenvolvimento de ferramentas biotecnológicas que possam dar suporte a programas que dão suporte as iniciativas de conservação deste bioma tão importante.

Coordenadora

Laureen Michelle Houllou – laureen.houllou@cetene.gov.br

Colaboradores

Robson Souza – robson.souza@cetene.gov.br

Paloma Cavalcante – paloma.cavalcante@cetene.gov.br

Ano de pesquisa

2011 – 2016

Órgão Parceiro

UFPE